As Competências do Futuro.

Primeiro dia do Festival Colaboramerica.

abramovay

A fala que mais chamou minha atenção hoje foi a do professor Ricardo Abramovay: “Colaboração social, da promessa à captura”.
Na palestra, Abramovay falou bastante, e muito bem, sobre as possibilidades criadas pela economia digital. Sobretudo as possibilidades da eliminação dos chamados “custos de transação”, graças ao uso das novas tecnologias. Grosso modo, a existência dos custos de transação é boa parte da razão de ser das empresas e firmas e o que impede que as pessoas “transacionem entre si”. Pois o que estamos vendo agora é justamente uma série de plataformas eliminarem intermediários – empresas e instituições – e possibilitarem a realização de transações diretamente entre as pessoas.

Mas nem só de boas possibilidades é feito esse novo mundo da economia digital e colaborativa. Abramovay falou também sobre os problemas e perigos que podem surgir e já estão surgindo graças, por exemplo, ao uso cada vez mais intenso dos algoritmos e também da automatização. E como reagir a esses perigos e impedir que a “colaboração social ” seja capturada pelas plataformas? Para Abramovay a resposta está na Ética. Por mais que o algoritmo do Netflix “te conheça” e indique os filmes que você realmente adora e o Spotify faça uma seleção diária de músicas sob medida pra você, eles (os algoritmos) são incapazes de sentir e tomar decisões baseadas em valores éticos.
Por isso, para o professor Abramovay, o caminho é aprofundar cada vez mais o que nos torna humanos. Mais do que saber programar ou usar impressoras 3D é preciso (re) aprender a ter compaixão, empatia, originalidade e reciprocidade.

Isso me faz pensar que não deixa de ser simbólico que o festival tenha sofrido com quedas de energia em seu primeiro dia. Caiu a internet, o ar condicionado parou de funcionar e o microfone perdeu a utilidade. Diante desses problemas o único espaço do Festival que não sofreu nenhum tipo de interrupção e que não deixou de funcionar em nenhum momento foi justamente o espaço Hólos, que promovia sessões de Yoga, dança, dinâmicas de grupo, conversas e buscava basicamente promover a ludicidade, a conexão entre as pessoas, compaixão, empatia…

Muitas vezes buscamos aprender coisas extremamente complexas para nos prepararmos para o futuro quando as competências que mais precisamos estão bem do nosso lado, à distância de um aperto de mão, ou de um abraço.

Autor: Matheus Queiroz

Estudei história, fui professor, fiz mestrado em gestão do conhecimento, entrei para o mundo do contracheque como servidor público, trabalhei com inovação tecnológica e cheguei a dar aula sobre como escrever uma patente de escova de dentes... mesmo sem concordar muito com propriedade intelectual. Precisei passar por tudo isso para entender que devemos sempre seguir o que faz nosso coração vibrar. Acredito no poder da colaboração, no futebol arte e que grandes coisas podem acontecer quando você se conecta com pessoas que admira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *